sábado, 27 de fevereiro de 2010

Estação Sé do Metrô


Você acha que sua vida está ruim? Ok, aqui vai um alento.
Estação Sé do metrô. Foto enviada pelo leitor Helcio Oliveira.

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

.

Começo a voltar. Não de outro planeta, nem de uma cidade distante ou de um supermercado. Volto de mim mesma.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Carnaval no Green Valley

Da inveja


A inveja é assim tão magra e pálida porque morde e não come.



quinta-feira, 11 de fevereiro de 2010

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Costas de Mulher

Costas de Mulher

Seda,

nuvem,

pluma,

os planetas girando na solidão do vazio,

nada fica mais suspenso no ar

que as costas de uma mulher.

Seus relevos,

curvas,

pontas,

cavidades

e declives

são fragmentos

que voam

dentro

dos olhos de um homem

a cada mínima imensidão

da pele

que ele toca.

É o mistério dos contrários:

escultura sem matéria rígida,

o efêmero da eternidade,

fruto ainda interno mas já aberto

flutuando

no espaço dos desejos.

Fronteira que marca

o instante

de uma mulher

transformando-se

em mulher.

Artista de si mesma,

ela revela,

à luz mais noturna,

as umidades

que derramam-se

com o movimento

dos cabelos,

dos ombros nus,

de toda amplidão do corpo incontido,

desatando,

sem cicatriz,

os sangues

que agora em jorro deflagram suas então invisíveis asas sedutoras.

W.F. Padovani

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Não se constrói nada sem uma mulher


Conto de fadas para mulheres do século 21

Era uma vez uma linda moça que perguntou a um lindo rapaz:


- Você quer casar comigo?


Ele respondeu:


- NÃO!


E a moça viveu feliz para sempre, foi viajar, fez compras, conheceu muitos outros rapazes, transou bastante, visitou muitos lugares, foi morar na praia, comprou outro carro, mobiliou sua casa, sempre estava sorrindo e de bom humor, nunca lhe faltava nada, bebia cerveja com as amigas sempre que estava com vontade e ninguém mandava nela.


O rapaz ficou barrigudo, careca, o pinto caiu, a bunda murchou, ficou sozinho e pobre, pois não se constrói nada sem uma MULHER.


(Luís Fernando Veríssimo)

Da mesmice da vida



A vida é sempre a mesma para todos: rede de ilusões e desenganos. O quadro é único, a moldura é que é diferente.

(Florbela Espanca, poetisa portuguesa precursora do movimento feminista no país)

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Bowl

Quem não compreende um olhar tampouco compreenderá uma longa explicação.

(Mário Quintana)