terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Sensibilidade morta


O homem de sensibilidade justa e reta razão, se se acha preocupado com o mal e a injustiça do mundo, busca naturalmente emendá-la, primeiro, naquilo em que ela mais perto se manifesta; e encontrará isso em seu próprio ser. Levar-lhe-á essa obra toda a vida.

Tudo para nós, está em nosso conceito do mundo; modificar o nosso conceito do mundo é modificar o mundo para nós, isto é, é modificar o mundo, pois ele nunca será, para nós, senão o que é para nós. Aquela justiça íntima pela qual escrevemos uma página fluente e bela, aquela reformação verdadeira, pela qual tornamos viva a nossa sensibilidade morta — essas coisas são a verdade, a nossa verdade, a única verdade.


Fernando Pessoa

Um comentário:

Landinho disse...

No Natal, recordamos o nascimento de Jesus, sua vida e seus ensinamentos. Aproveitemos este momento para refletir sobre nossa conduta, mediante o exemplo do Filho de Deus. Guardemos em nosso coração o sentimento de renovação que nos traz essa data. Nasçamos nós também mais uma vez, para uma vida com mais amor, alegria e repleta da paz que vem de nossa fé em Cristo.
Desejo a todos um santo e feliz Natal!